A Filosofia na História da Baixa Idade Média: Escolástica e mentalidades

Imagen A Filosofia na História da Baixa Idade Média: Escolástica e mentalidades

Os Cursos de ANO NOVO (CAN) inserem-se no projeto geral de abertura da Universidade NOVA de Lisboa à sociedade, e no cumprimento da missão de serviço público, consignada nos Estatutos da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas (FCSH), visando contribuir para a qualificação dos cidadãos, nas áreas das Ciências Sociais e Humanas.

Esta primeira edição conta com a oferta do curso “A Filosofia na História da Baixa Idade Média: Escolástica e mentalidades”. Este curso pretende, ao longo de 10 sessões, aproximar os especialistas e o público geral das correntes e conceitos filosóficos que coadjuvaram na formação das mentalidades durante o período medieval, quer em Portugal quer na Europa.

O enfoque é o histórico, pelo que o percurso será cronológico, analisando em cada sessão um autor ou corrente filosófica. Desta maneira, os alunos poderão compreender melhor os contributos que a Filosofia tem dado à história, tanto através das ideias utilizadas na propaganda política, como através dos textos copiados, transmitidos e espalhados por toda a Europa.

Igualmente, será objetivo do curso a análise pormenorizada do caso português, inserido no contexto europeu, sendo indicados os autores e as obras que circularam por terras lusas.

As inscrições para todos os cursos decorrem de 7 de novembro a 14 de dezembro de 2018.

Datas: 21 de janeiro a 1 de fevereiro | dias úteis das 17h30 às 20h00

Docente Responsável: Maria João Branco

Docentes: Francisco José Diaz Marcilla

Áreas: História, Património e Cultura

Objetivos

O curso pretende aproximar os especialistas e o público geral das correntes e conceitos filosóficos que coadjuvaram na formação das mentalidades durante o período medieval, quer em Portugal quer na Europa.
O enfoque é o histórico, pelo que o percurso será cronológico, analisando em cada sessão um autor ou corrente filosófica. Desta maneira, os alunos poderão compreender melhor os contributos que a Filosofia tem dado à história, tanto através das ideias utilizadas na propaganda política, como através dos textos copiados, transmitidos e espalhados por toda a Europa.
Igualmente, será objetivo do curso a análise pormenorizada do caso português, inserido no contexto europeu, sendo indicados os autores e as obras que circularam por terras lusas.

Programa

Sessão 1.

I. História do pensamento filosófico (introdução historiográfica).

II. Metodologias para o estudo do impacto histórico da filosofia medieval.

III. Introdução ao contexto histórico dos séculos XII a XV. IV. Princípios filosóficos básicos: Deus, Homem, Natureza, Conhecimento, Ética, Tempo, Tradição, Política.

Sessão 2.

I. Antecedentes da Escolástica: as bases do platonismo e do aristotelismo.

II. A Patrística: contribuições e mudanças.

III. Centros de ensino e poder.

IV. Implicações históricas.

Sessão 3.

I. Antecedentes da Escolástica: a herança da filosofia islâmica.

II. Antecedentes da Escolástica: a herança da filosófia hebraica.

III. Correntes do misticismo filosófico medieval.

IV. Implicações históricas.

Sessão 4.

I. Escolástica: conceito e breve introdução.

II. Alberto Magno.

III. Tomás de Aquino.

IV. Implicações históricas.

Sessão 5.

I. Alexandre de Hales.

II. Boaventura de Bagnorea.

III. A Escola franciscana de Paris.

IV. Implicações históricas.

Sessão 6.

I. Roger Bacon.

II. A Escola franciscana de Oxford.

III. João Duns Escoto.

IV. Implicações históricas.

Sessão 7.

I. Guilherme de Ockham.

II. Marsílio de Pádua.

III. Thomas Bradwardine.

IV. Jean Buridan.

V. Implicações históricas.

Sessão 8.

I. A filosofia na Península Ibérica cristã: Álvaro Pelágio, Petrus Hispanus, André do Campo, D. Duarte.

II. A filosofia na Península Ibérica não cristã: Hashdai Crescas, José Albo, Isaac Abravanel, Ibn Jaldún.

III. Implicações históricas.

Sessão 9.

I. Mestre Eckhart.

II. Ramon Llull.

III. Os “-ismos” face à modernidade (neoplatonismo, aristotelismo, tomismo, lulismo).

IV. Implicações históricas.

Sessão 10.

I. A cisão entre Filosofia e Teologia: dois caminhos divergentes.

II. Nicolau de Cusa.

III. Pico della Mirandola.

IV. Marsílio Ficino.

V. Nicolau Maquiavel.

VI. Erasmo de Roterdão.

VII. Conclusão: as filosofias de aquém e de além-mar.

Bibliografia

Merino Abad, José Antonio. Historia de la Filosofia medieval. Madrid: Biblioteca de Autores Cristianos, 2001.

Luscombe, David. O pensamento medieval. Men Martins: Europa-América, 2000.

Kretzmann, Norman. The Cambridge history of later medieval philosophy : from the rediscovery of Aristotle to the desintegration of scholasticism 1100-1600. Cambridge: CUP, 1995.

___________________________________

Francisco José Diaz Marcilla é Doutor em História pela Universidade de Sevilha (Espanha, 2013) e Membro Integrado do Instituto de Estudos Medievais da NOVA FCSH. Bolseiro de Pós-doutoramento com o projeto “A narrativa historiográfica como fonte para o estudo do papel sociopolítico dos clérigos no âmbito do Cisma e da Guerra dos Cem Anos (1337-1453)” (SFRH/BDP/107887/2015).
Participou no Projeto DEGRUPE (Dimensão Europeia dum Grupo de Poder: os Eclesiásticos na construção das monarquias peninsulares, ss. XIII-XV) como Bolseiro de Investigação. Tem publicado trabalhos sobre a influência do pensamento do filósofo Ramon Llull, sobre o Cancionero de Juan Alfonso de Baena e sobre Teoria da História. Tem publicado 12 artigos em revistas especializadas com revisão por pares cegos, 9 capítulos de livro, 2 livros coordenados e 1 monografia.


from to
ical Google outlook Formación
Faculdade de Ciênciais Sociais e Humanas, [sala a indicar] Map
Publicado el 3-12-2018.